Nota de Repúdio da Comunidade Anglicana Bom Pastor

0033

Nós da Comunidade Anglicana Bom Pastor – Vitória, ES, da Diocese Anglicana do Rio de Janeiro, não encontramos palavras para descrever nosso repúdio, nossa indignação e nossa revolta contra toda a violência sexual, física, moral, psicológica, dentre outras violências as quais as mulheres vêm sendo submetidas hoje e sempre em nosso país.

As terríveis notícias da adolescente de 16 anos barbaramente estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro e da adolescente de 17 estuprada por 5 homens no Piauí, nos causam profunda dor e indignação. Contudo, não devemos nos enganar, esses não foram casos isolados, os estupros coletivos no Brasil ocorrem com frequência. O fato é que no Brasil uma mulher é estuprada a cada 11 minutos.

Vivemos numa sociedade machista e patriarcal, herdamos a noção que mulher é propriedade do homem e a nossa educação que é impedida de falar sobre questões de gênero na escola ainda hoje cultiva isso, pois, os meninos não são educados a respeitar as mulheres. Também os meios de comunicação com propagandas favorecem a cultura machista seja pela objetificação da mulher como em propaganda de cervejas ou de desodorantes que mostram as mulheres como se estivessem disponíveis aos homens ou em novelas e programas de TV onde a violência contra a mulher é banalizada e romantizada – muito distante da realidade que frequentemente termina em morte de mulheres – ou pelo reforço de papéis sociais onde as mulheres são diminuídas e colocadas em papéis domésticos ou em funções de dependência do homem. Com tudo isso, vemos que não educamos os futuros homens do Brasil.

É nosso dever como Igreja de Cristo não permanecer alheios e omissos nesta situação, portanto, devemos denunciar e agir contra toda a violência contra as mulheres. Precisamos nos conscientizar dos erros do passado e do presente para mudar nossos corações para que, renovados pelo Espírito Santo, possamos seguir o exemplo de Cristo que, em sua caminhada na terra, sempre acolheu e protegeu às mulheres até das leis da sua época.

Devemos assumir que mudança dessa cultura machista e patriarcal depende de todos nós, que todos nós sejamos responsáveis debatendo e combatendo todas as formas de violência contra a mulher dentro e fora das igrejas, sobre tudo nas escolas; que as autoridades ajam com rigor contra esses e contra todos os crimes cometidos contra as mulheres, visto que a sensação de impunidade contribui com a ocorrência da violência; que tenhamos em mente que o combate ao machismo e sexismo precisar ser um assunto fundamental dentro da Igreja.

Rogamos a Deus que as duas adolescentes possam reorganizar suas vidas, com o acompanhamento das famílias e amigos e o consolo e conforto para todas as mulheres vítimas da violência sexual. E, pedimos também que Deus de coragem a todos os homens para assumir a responsabilidade pelo enfrentamento de todas as violências contra as mulheres.

Comunidade Anglicana Bom Pastor – Vitória ES