"Apenas 1 em cada 100 pessoas" é resgatada do tráfico humano

trafico humano 32a
 
"Apenas 1 em cada 100 pessoas é resgatada do tráfico humano", de acordo com a chefe do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, Unodc, em Nova York.
 
Simone Monasebian disse à Rádio ONU que "todos os países são destino, trânsito ou origem" do tráfico humano, um "negócio" que movimenta "bilhões de dólares". Este sábado, 30 de julho, é o Dia Mundial de Combate ao Tráfico de Pessoas.
 
Brasil
 
De Brasília, o analista de programa do Unodc no Brasil, Gilberto Duarte, falou sobre as ações que a agência tem feito para combater o crime no país. Ele afirmou que o Unodc vem trabalhando com o governo brasileiro no área desde 2002.
 
"Ultimamente nós temos feito uma série de treinamentos (…) além disso, nós contamos com a Ivete Sangalo, que nos ajuda a disseminar mensagens de prevenção ao tráfico de pessoas. Nós destacamos também a semana de mobilização que acontece todos os anos na semana do dia 30 de julho. Esta semana, por exemplo, a Defensoria Pública da União lançou aqui no Brasil um concurso de redação, em parceria com o Unodc e outras instituições, que é voltado para estudantes de escolas públicas."
 
Para o especialista, essa é uma forma "muito interessante de levar o tema para debate nas escolas".
 
Crime Parasita
 
Para o diretor-executivo do Unodc, o tráfico humano é um "crime parasita que se alimenta de vulnerabilidade, prospera em tempos de incerteza e lucra com inação".
 
Em mensagem sobre a data mundial, Yury Fedotov afirmou que "criminosos se aproveitam de pessoas passando necessidade e sem apoio e vêem os migrantes, especialmente crianças, como alvos fáceis para exploração, violência e abuso".
 
Crises Humanitárias
 
Fedotov ressaltou que "conflitos armados e crises humanitárias expõem as pessoas presas no fogo cruzado a um risco maior de serem traficadas para exploração sexual, trabalho forçado, remoção de órgãos, servidão e outras formas de exploração".
 
Segundo o chefe do Unodc, o relatório do Escritório, que será lançado este ano, destaca a ligação entre o tráfico humano e os fluxos de refugiados de países incluindo Síria a Eritreia e envolvendo refugiados Rohingya do Mianmar e Bangladesh.
 
Fundo e Convenção
 
Fedotov pediu aos governos que ratifiquem e implementem a Convenção da ONU contra o Crime Organizado Transnacional e seus protocolos sobre tráfico e contrabando de migrantes para proteger as vítimas e promover a cooperação internacional necessária para levar os criminos à justiça.
 
Ele também fez um apelo a governos, empresas e indivíduos que apoiem o Fundo Voluntário da ONU para as Vítimas do Tráfico de Pessoas.
 
Fonte: www.unmultimedia.org
Foto: Rede Brasil Atual / Divulgação