E se a espiritualidade pudesse ser libertadora?

ssssss 1

E se aquele desejo pelo transcendente que nos toma resultasse em um amor concreto pelo mundo, especialmente pelos/as mais pobres e injustiçados/as?

O 2º Encontro Nacional de Juventudes e Espiritualidade Libertadora se propõe a ser um grande mar onde convergirão os mais diversos rios de espiritualidade, povo que caminha em busca da libertação. Seguindo a esteira da Teologia da Libertação, esperamos desaguar correntezas de jovens, caudalosos/as de utopia, a fim de partilhar suas vivências de espiritualidade que são também de rebeldia e esperança.

Escolhemos como tema a Mística do Bem-viver, proposta de uma sociedade pautada em relações e valores bem diversos do capitalismo que nos genocida a cada dia. Solidariedade, harmonia com a natureza, ética, igualdade de gênero, justiça social, sementes que começaram a ser plantadas e que nos dispomos a radicalizá-las. A expressão Bem-viver (sumak kawsay) tem origem andina, esse paradigma planetário não está distante do que sempre, como subalternizados/as, ousamos viver em nossos territórios de resistência. Corre em nossas veias. Acreditamos que esses rios nos trarão experiências concretas que estamos construindo nos mais diversos espaços de vida.

Serão dias que prometem ser intensos e desafiadores. Nos revezaremos entre oficinas, grupos de trabalhos, mesas de debate, atividades culturais e espaços livres, alinhavados por uma metodologia que permitirá a escuta e a fala, o sentir e o tocar. Sobre a pergunta inicial, a espiritualidade, quando alienante, faz escravas mulheres, homens e natureza, mas quando libertadora é rebeldia, insurreição, potencializadora de qualquer processo revolucionário.

Junte-se a nós entre os dias 7 e 10 de setembro, na cidade de Poá/SP. Ousemos construir um outro mundo possível e necessário!

Saiba mais em: www.espiritualidadelibertadora.org.br