Encontro de Oração e Música reúne cristãos e cristãs em Curitiba

 
 
A Comunidade do Redentor, ligada à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), acolheu no dia 21 de outubro de 2017 o Encontro de Oração e Música. Promovido pelo Movimento Ecumênico de Curitiba (MOVEC) e pela Escola de Educação e Humanidades da PUCPR, contando com apoio de outras comunidades e organizações religiosas e acadêmicas, o evento reuniu cristãos e cristãs de diferentes confissões para um momento de oração inspirado na mística da Comunidade Ecumênica de Taizé.  
 
Com a participação do Coral do Santuário Santa Rita de Cássia e do Coral do Bem, músicos e musicistas das igrejas presbiteriana, luterana e católica, juntamente com outros convidados, o Encontro de Oração e Música foi um deleite de beleza e espiritualidade. O repertório ecumênico de Taizé é amplamente utilizado pelas igrejas cristãs no Brasil, mas rara vez ele serve para o que ele foi pensado: a comunhão de cristãos/ãs de diferentes denominações por meio da oração cantada. Esse detalhe, acompanhado das melodiosas partes instrumentais escritas pela mesma Comunidade Taizé para flautas doces, flauta transversal, clarinete, violão e órgão, foram o grande diferencial da experiência do Encontro. A dimensão estética e a espiritual se aproximam numa única expressão de fé. 
 
A proposta orante de Taizé é muito simples e profunda.  A experiência acontece através dos cantos curtos e repetitivos, uma das expressões essenciais da busca por Deus, que leva a meditação. Esse movimento prolonga a oração, mesmo depois desse momento intensivo, ligando a vida cotidiana e a oração, ou seja, o coração daqueles/as que oram ao coração de Deus. Assim, a oração cala, o silêncio se estabelece, pois, uma comunhão tranquila com Deus pode abster-se de palavras: como uma criança que parou de gritar quando encontrou o colo da mãe.  Nesse momento saboreia-se o amor de Deus através dos cantos, do silêncio e da Palavra para deixar-se encontrar por Ele e, então, perceber onde está o nosso coração! Como definiu Ignácio Dotto Neto, católico presente no encontro: “nos aproximamos de Deus através da música e do silêncio. Cantando, nos silenciamos e, nos momentos de silêncio, nosso silêncio acolhe Deus”.
 
Para a jovem Miriam Olívia, a mística de Taizé representou a valorização da espiritualidade para além da religião: “ao mesmo tempo que ela projeta todos ali a uma reflexão do ser e do viver para além do indivíduo, ela se volta a realidade do palpável: ao ser e viver dentro de si, e a relação entre o ser e a natureza”, infere. Carmen Regina Duarte, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB), descreve que o encontro traduziu “uma harmonia musical que transcendeu nosso tempo, nosso espaço, nossa cultura, nossas preocupações, nossas diferenças e permitiu sentir o divino encarnado”, emoção essa que não se explica, somente se vivência.
 
A leveza, revigoramento espiritual e sentido de comunhão vividos no encontro reafirmam a importância de que as iniciativas de diálogo não descurem da espiritualidade. Ela é o elã vital capaz de curar a memória ferida, refazer e ressignificar vínculos, despertar e fortalecer a convicção ecumênica das pessoas e das igrejas. Identificando-o como um evento marcante para o ecumenismo curitibano, a organista Carolina Dias, da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB), transmite essa sensibilidade quando afirma que “Deus se fez presente no nosso meio enquanto cantávamos e orávamos. A minha oração foi para que essa unidade seja uma constante na vida dos cristãos”. Danni Distler, ministro de louvor e artes da comunidade anfitriã, identificou três razões que tornaram o encontro de ecumênico de Oração e Música um momento significativo: “primeiro por ser uma proposta de encontro entre pessoas que expressam sua fé de formas diferentes, mas, ainda assim a mesma fé no Deus Criador da Bíblia. Em segundo lugar porque mesclou oração e música numa mesma proposta contemplativa; ambas esferas se complementam perfeitamente quando se trata de louvor e adoração. E, em terceiro lugar, o ambiente foi propício para uma pausa em meio a um mundo veloz, apenas para lembrarmos que temos um Senhor que merece nossa reverência”. 
 
 
 
Sobre a Comunidade de Taizé
 
Taizé é uma comunidade ecumênica que surgiu em 1940. Um jovem suíço de 25 anos, Roger, chegou a região francesa próxima a Lyon para ajudar os refugiados da guerra. Ele se dedicou a cuidar das pessoas enquanto outros jovens foram chegando para ajudá-lo.  Depois da guerra ajudaram as crianças que ficaram órfãs. Aos domingos, recebiam também, os prisioneiros de guerra alemães que ficavam em um campo próximo. Assim se iniciou a comunidade que se instalou ali mesmo, em uma colina chamada Taizé. Atualmente, a Comunidade agrega em torno de cem irmãos católicos e de diversas origens evangélicas que, além da França, possuem comunidades em outros países. A comunidade brasileira foi estabelecida em 1966, primeiramente em Olinda tendo em vista os laços de amizade e colaboração entre Irmão Roger e Dom Hélder Câmara. Após a transferência para Vitória/ES em 1972, os Irmãos se dirigiram para Alagoinhas/BA, onde permanecem atualmente.
 
Todos os anos, milhares de jovens de diversas partes do mundo chegam a Taizé para viver uma experiência de encontro e oração. Estes/as jovens realizam trabalhos na comunidade, participam de formação, de partilhas e dos fóruns dos países. As Jornadas da Confiança, realizadas periodicamente em diferentes países são, igualmente, uma expressão singular do potencial de diálogo que a Comunidade estabelece com as juventudes.  A simplicidade e a sobriedade são elementos que se sobressaem do carisma de Taizé, o que transparece tanto no método de oração – que em nada perde de profundidade – quanto nas instalações, provisão e uso dos recursos para a manutenção da comunidade. Em um mundo de tantos desencontros, Taizé é, por si mesma, um sinal profético e propositivo da urgência do diálogo e da unidade, que residem no coração de Deus, no impulso renovador do Espírito e na oração do Senhor “para que todos sejam um” (Jo 17.21).
 
Fonte: Equipe Organizadora
Com informações de: http://www.taize.fr/pt 
Créditos das Fotos: Paolla Braga