Judeus ainda são as maiores vítimas de crimes de ódio em todo o mundo

 
 
O levantamento anual do Escritório para as Instituições Democráticas e os Direitos Humanos (ODIHR), ligado à Organização para a Segurança e Cooperação em Europa (OSCE), apontou que os judeus ainda são o grupo religioso mais perseguido em todo o mundo. O estudo, divulgado dia 16 de novembro, compila dados reportados por 125 entidades da sociedade civil e de organizações internacionais, compreendendo o ano-base de 2016.
 
Cristãos e muçulmanos vêm logo em seguida. No quesito “ataques violentos”, que é o aspecto mais evidente da manifestação desses crimes de ódio, há virtualmente um empate entre cristãos (106) e muçulmanos (107). Os islâmicos receberam mais ameaças (79 a 34). Quanto aos “danos à propriedade”, que compreende vandalismo e destruição de símbolos sagrados e locais de culto, foram reportados 369 contra cristãos e 185 contra muçulmanos.
 
O levantamento pode consultado aqui
 
Em tempos de intolerâncias, convidamos todos a meditar a Oração da Paz (atribuída a S. Francisco, mas de autoria desconhecida):
 
Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver a dúvida, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
 
Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar do que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar que ser amado.
 
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
é morrendo que se vive para a vida eterna.
 
Com informações da Gospel Prime