Londrina recebe 14º Intereclesial de CEBs

 
Com o tema “CEBs e os desafios no mundo urbano” e o lema “Eu ouvi os clamores do meu povo e desci para libertá-los” (Ex 3,7), o 14º Intereclesial das CEBs está sendo sediado em Londrina (PR), entre 23 e 27 de janeiro. Delegados de todas as regiões do Brasil, de países da América e de outros lugares estão celebrando a diversidade e a beleza de viver o Evangelho de Jesus de Nazaré. Um objetivo que se apresenta é o de expressar a comunhão entre os fiéis e seus pastores. O CONIC está representado pela secretária-geral Romi Bencke.
 
Segundo o arcebispo de Londrina, dom Geremias Steinmetz, anfitrião do encontro, a temática do evento, que trata a questão da realidade urbana, é necessária e urgente e, por isso, atraiu um grande número de participantes. “Hoje já temos um percentual de mais de 80% dos brasileiros vivendo em cidades, os que nelas não habitam vivem a cultura urbana de qualquer jeito, seja através da televisão, do rádio, da internet, e isso está tomando conta do nosso país”, afirma.
 
O bispo de Tocantinópolis (TO) e referencial das CEBs, dom Giovane Pereira de Melo afirma que este é um grande encontro celebrativo. Para ele, o evento é uma grande assembleia do povo de Deus que vive nas Comunidades Eclesiais de Base e que se encontra periodicamente para celebrar a caminhada, as conquistas, a luta e o testemunho de ser presença profética nas pequenas comunidades: “É um voltar da Igreja através das Comunidades Eclesiais de Base sobre toda a realidade, os desafios de evangelizar e ser presença profética no mundo urbano”.
 
Metodologia
 
Após dois anos e meio de preparação e reflexões em torno da temática do encontro, chega o momento de aprofundar o conteúdo a partir de 13 miniplenárias para debater os desafios do mundo urbano. 
 
E quais são os 13 temas que desafiam a atuação das comunidades eclesiais de base no contexto urbano?
 
A ampliada, equipe que coordena o 14º Intereclesial de CEBs, selecionou 13 temas específicos e complementares para, na metodologia que estão propondo, ajudar a refletir os desafios do mundo urbano. Cada tema, a ser aprofundado em uma Mini-será assessorado por dois assessores que se desdobrarão na tarefa de aprofundar a realidade e analisa-la à luz do evangelho e do magistério da Igreja.
 
Descubra quais são os temas desafiadores e o caminho de reflexão que será feito em torno de cada um.
 
O Acesso e Condições de Moradia – Quais os desafios da moradia no mundo urbano com as assessoras da missionária Cecilia de Moraes Angileli e da arquiteta Mercedes Lopes. Elas vão abordar a situação do déficit habitacional e a ocupação no espaço territorial das cidades e em que isto implica na vida cotidiana, no que diz respeito ao acesso, ou seja, os desafios para as pessoas nas sobre as condições de moradia.
 
Os Desafios da Mobilidade/ transporte e locomoção – Vamos ter um tema sobre o transporte, um dos grandes desafios não só das grandes metrópoles, mas também das pequenas cidades. A discussão não será só sobre a mobilidade dos veículos, mas temos que compreender que têm os seres humanos, animais, meios de transporte alternativos, ou seja, como todos se movem dentro das cidades. Qual transtorno ocorrerá nas cidades se não disciplinarmos a mobilidade. Contribuirão com este tema os assessores: o doutor e teólogo Cláudio de Oliveira Ribeiro e Frei Ildo Perondi.
 
Os Desafios da Formação e Educação – As comunidades, às vezes, pelo lugar que moram e pelas condições financeiras de que dispõem enfrentam desafios para acessar a formação não escolar oficial e a própria educação escolar. Neste tema, assessoram o encontro a professora Sandra Garcia da Universidade de Londrina e o Frei Betto, escritor e assessor de movimentos sociais.
 
Desafios de Acesso à participação da Cultura e Lazer – Como as comunidades produzem e acessam a cultura e lazer? Se elas acessam, como o fazem e se não acessam, ou em condições precárias e o porquê destas condições. Os militantes do “Movimento dos Artistas de Rua de Londrina” e o assessor e teólogo beneditino Marcelo Barros ajudarão a refletir sobre o tema.
 
Democratização e participação na política partidária – Hoje temos um grande desgaste sobre o mundo da política, do ser político e isto pode afetar a própria democracia, portanto hoje se faz necessário que as comunidades impunham esta bandeira da democracia. Nós teremos como assessores neste tema o sociólogo Ivo do Amaral Lesbaupin e o doutor Celso Pinto Carias.
 
As Mudanças no mundo do trabalho e os impactos na vida das comunidades – Como as comunidades são impactadas com estas mudanças no mundo do trabalho. Em que condições hoje, com as mudanças das leis, as pessoas acessam o trabalho. Qual o impacto e que poder têm as comunidades também de intervir nestes processos de orientação do mundo do trabalho. O doutor em sociologia André Langer e dom Reginaldo Andrietta, único bispo assessor, apresentarão estes desafios.
 
Desafios da Juventude – Apesar da juventude sofrer todos os impactos das outras políticas públicas, ela entrou como tema especifico em função da juventude ter bandeiras específicas, então é importante que as CEBs também reflitam os desafios, inclusive para atingir, assediar, incorporar a própria juventude e integrá-la dentro desta mística e espiritualidade das CEBs. A graduanda em ciências sociais Rúbia Nascimento e o irmão Joilson de Souza Toledo vão nos assessorar neste tema.
 
Mídia, Novas Tecnologias e Direito à Comunicação – Como as mudanças na comunicação e de forma acelerada impactam e como as comunidades acessam ou não acessam estes instrumentos e em que condições isto acontece? Estes instrumentos até que ponto favorecem ou não, implicam em quê no cotidiano das nossas comunidades. Os assessores são o padre Edson Thomassin e a doutora em teologia Maria Joaquina Fernandes.
 
Movimentos e organizações sociais e populares – Na década de 80 as comunidades participavam em peso das organizações e movimentos populares e, hoje, onde elas moram, o tempo que se gasta na mobilidade ainda possibilita que as pessoas participem e militem nas organizações sociais, de categorias e do seu mundo sindical? Ou as pessoas estão tão cansadas que não encontram entusiasmo para participar dos movimentos populares? Esta análise será feita pelo mestre em ciência política Daniel Seidel e Francisco de Aquino Júnior, professor de teologia .
 
Ecologia e cuidado ambiental – As cidades e os municípios têm outras vidas e por isso temos que valorizar não só a vida animal, os rios, por exemplo, são vidas. Como nós tratamos os rios no nosso perímetro urbano ou como os rios impactam no urbano já que não são só dentro do perímetro urbano, então toda a vida ambiental tem que ser refletida. As cidades têm que ter um ambiente bom e, por isso, acontecerão, também, discussões sobre a poluição sonora, do ar, visual, que impactam o dia a dia e das cidades. Para refletir sobre o assunto foram convidados o filósofo Roberto Malvezzi e o professor Jelson Oliveira.
 
Pluralismo: ecumenismo e diálogo inter-religioso – A diversidade das expressões religiosas é um valor importantíssimo. Todo mundo participa e se observarmos todas as noites tem um fluxo enorme de pessoas indo e vindo na participação efetiva da vida religiosa. Porém nem sempre esta diversidade permite discutir e vencer temas em conjunto, então também é um desafio desta diversidade, desafio para buscar articulações e defesas de direitos. A pastora Romi Márcia Bencke e o doutor em teologia Faustino Teixeira vão estimular as reflexões.
 
Direito à Saúde e Saneamento – Este tema foi inspirado na campanha da fraternidade. Vamos encontrar cidades imensas, onde menos de oito por cento têm saneamento e tratamento de esgoto. Cidades como Ananindeua com cerca de 400 mil habitantes sem um litro de esgoto tratado. É um grande desafio para as cidades e consequentemente para a saúde. Neste tema teremos o apoio da ministra da palavra Leila Regina da Silva e da economista Elóia Duarte Rodrigues.
 
Violência e Segurança – Um dos problemas de todas as categorias e classes, todos estão preocupados com a segurança. Neste tema contaremos com a mestre em serviço social Márcia Lopes e o padre Vilson Groh, que tem um acúmulo fantástico na periferia de Florianópolis, portanto a questão da violência que impacta nas comunidades e cidades ao ponto de algumas comunidades serem inviabilizadas de organização, rezas e estudos em função da violência.
 
Acompanhe novidades sobre este encontro neste link: http://www.cebsdobrasil.com.br
 
Com informações da CNBB / CEBs do Brasil
Foto: CEBs do Brasil