Conselho Mundial de Igrejas completa 70 anos em 2018

 
Fundado em agosto de 1948, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) completa este ano 70 anos de história. Ao longo de sete décadas, o CMI tem sido um testemunho vivo de unidade cristã. Igrejas, entidades parceiras e colaboradores do CMI em todo o mundo são chamados a comemorar a data e, também, a meditar sobre os inúmeros desafios que o Conselho tem pela frente, sobretudo em um mundo cada vez mais multipolar, diverso e, ao mesmo tempo, egoísta.
 
Celebrando durante todo o ano!
 
O CMI, as igrejas membros e os parceiros estão planejando uma variedade de eventos para avançar na Peregrinação da Justiça e da Paz em curso e, concomitantemente, honrar e aprender com esses 70 anos de esforço ecumênico.
 
A Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC), tanto no hemisfério Norte, quanto no Sul, foi e será momento de comemorar esses 70 anos. No Brasil, a SOUC será de 13 a 20 de maio (saiba mais aqui).
 
Um só Deus. Um só Espírito. Uma só fé.
 
Esta é uma tríade que vem sinalizando o caminho do cristianismo no mundo. Atualmente existem mais de 38 mil tipos de denominações cristãs diferentes, entre católicos, ortodoxos, anglicanos, metodistas, luteranos, batistas, presbiterianos, pentecostais, neopentecostais, etc. Na teoria, um só povo. Na prática, grandes ou pequenas diferenças ideológicas parecem delimitar – seja com muros, cercas, interpretações, doutrinas ou costumes – esta afirmação.
 
Mas, afinal: é possível existir união verdadeira entre denominações distintas apenas pelo fato de confessarem a mesma fé em Cristo Jesus?
 
Foi diante desse desafio que, em 1948, um grupo de delegados, representando diversas igrejas cristãs, reuniu-se em Amsterdã (Holanda), para selar “um firme propósito de permanecerem juntos”, não deixando que as diferenças fossem muros para o diálogo. Num período de pós-guerra, surge o Conselho Mundial de Igrejas, uma organização que chegou em boa hora, porque além de conjugar missão, espiritualidade e diálogo teológico, se empenha no desenvolvimento de projetos de promoção de uma cultura de paz e responsabilidade social.
 
A instituição cresceu rapidamente. Ganhou notoriedade junto à sociedade e órgãos internacionais, sobretudo pelos programas de serviço como combate à fome, miséria, Aids e discriminação racial. Em pouco tempo, se notabilizou como a maior organização cristã empenhada na luta pela unidade da igreja e pelo diálogo inter-religioso.
 
Se por um lado o ecumenismo ainda ganha forte apoio, sobretudo por parte das denominações ortodoxas, anglicanas, luteranas etc., por outro, principalmente entre algumas igrejas evangélicas conservadoras, ele se estabelece como um dos principais empecilhos para o engajamento nesta unidade, uma vez que muitas igrejas entendem ecumenismo como a “criação de uma única igreja que englobe todas”, quando na verdade trata-se da abertura para o diálogo entre as denominações cristãs. Esta abertura é está alicerçada na certeza de que  “em Cristo somos todos um.” 
 
Para acompanhar mais notícias sobre os 70 anos do CMI, acesse: www.oikoumene.org.
 
Fonte: CONIC com IECLB e Revista Enfoque
Imagem: CMI