CESE celebra 45 anos com Assembleia Geral e visita a projetos

 
 
Teve início na última quinta, 7 de junho, a 45ª Assembleia Geral da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), que celebrou nesta edição o aniversário de 45 anos da entidade. Na ocasião, a equipe da CESE, representantes das Igrejas que a compõem e organismos ecumênicos visitaram iniciativas que já tiveram projetos apoiados em Salvador (Bahia).
 
O grupo de cerca de 60 pessoas começou o dia fazendo trilha no Parque São Bartolomeu, localizado no Subúrbio Ferroviário. Foi possível não apenas experienciar as riquezas naturais da região, repleta de matas e cachoeiras, como também dialogar sobre os desafios para a preservação do Parque e as lutas dos povos de matriz africana para expressarem sua fé na região.
 
No momento seguinte, uma roda de diálogo foi organizada para reflexão sobre as quatro políticas referenciais da CESE (Direito à Terra, Água e Território; Direito à Identidade na Diversidade; Direito a Trabalho e Renda; e Direito à Cidade), à luz das experiências de grupos populares, organizações e movimentos que atuam na região do Subúrbio. “É claro que a realidade é muito mais dinâmica, mas as políticas referenciais são um trabalhado pedagógico, uma forma de orientar o trabalho da CESE em suas diversas facetas: formação, diálogo e articulação e incidência. Ou seja, é uma forma de orientar nossa ação nesses 45 anos de atuação”, explica a assessora de projetos e formação da CESE, Olga Matos, que contribuiu na mediação da roda de diálogo.
 
Trazendo para o debate as várias vertentes de lutas por direitos na região, Mãe Val, que atua há 40 anos pela preservação ambiental, cultural e religiosa do Parque São Bartolomeu, destaca a importância do espaço para as religiões de matriz africana. Nós cultuamos os rios, as árvores, as folhas, as lagoas, a natureza”, exemplifica.  Nos campos de Direito à Cidade e Direito à Identidade na Diversidade, Naiara Soares, de koinonia, aponta como os avanços urbanos e especulação imobiliária têm afetado a dinâmica desses grupos. E a educadora Carol Lopes, ainda emendou, considerando as riquezas naturais da região. “Aqui poderia ser um ponto turístico, mas não é por que? Porque aqui e periferia de Salvador”, enfatiza, explicitando os abismos sociais da capital baiana.
 
A diretora executiva da CESE, Sônia Mota, avalia que esse momento da Assembleia Geral, em que se visitam inciativas apoiadas, é um espaço de incidência, vivência in loco e formação da equipe. “Para animar a luta também, ao ouvirmos tantas experiências e saber que nossas organizações, cada igreja também está na ponta dessas ações. É muito importante que vocês se sintam parte desse trabalho”.
 
Finalizando a tarde no Parque, cada representante das igrejas e organismos ecumênicos presentes doaram uma muda ao Parque, simbolizando o compromisso e a solidariedade com as diversas lutas que se travam na região.
 
O dia foi encerrado com cerimônia ecumênica na Igreja da Trindade. Cada pessoa presente foi convidada a acender uma vela e pensar na política referencial que mais se identifica e assumir um compromisso individual nesse campo. “Que esse brilho do trabalho dos 45 anos da CESE nunca se acabe e que atuemos ativamente para essa chama sempre se mantenha acesa”, expressa seus votos para a Coordenadoria Ecumênica de Serviço o idealizador da comunidade da Trindade, Henrique Peregrino.
 
Nova Diretoria - 2018-2020
 
Na manhã de sexta-feira, 8, a Assembleia Anual da CESE elegeu nova diretoria para os próximos três anos.
 
 
Para o triênio 2018-2020, a presidência da organização continuará dirigida por Marcus Barbosa Guimarães, da Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR). Helivete Ribeiro Pinto Bezerra, da Aliança de Batistas do Brasil-ABB, ocupará o cargo da vice-presidência. José Augusto Amorim da Cunha Júnior (Igreja Presbiteriana Unida-IPU) será o Primeiro Secretário, e Eleni Rodrigues Mender Rangel (Igreja Presbiteriana Independente do Brasil) retona à direção da CESE, desta vez como Segunda Secretária.
 
Prosseguem na direção da CESE, Renato Küntzer (Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLB), como Primeiro Tesoureiro, e João Cancio Peixoto Filho (Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB) como Segundo Tesoureiro.
 
Novas representantes de Igrejas Cristãs estabelecem posições na Coordenadoria Ecumênica de Serviço. Célia Gil Pereira (IECLB) e Josileide José dos Santos (ABB) atuarão no Conselho Fiscal, juntamente com Júlia Taís Campos Ribeiro de Oliveira (ICAR), reeleita para o órgão. Wertson Brasil de Souza (IPU) será o suplente do Conselho Fiscal.
 
Assembleia Geral Ordinária Eletiva da CESE – 07 a 08 de junho de 2018
 
Aliança de Batistas do Brasil – ABB
Igreja Católica Apostólica Romana – ICAR
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – IEAB
Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil – IECLB
Igreja Presbiteriana Independente do Brasil – IPIB
Igreja Presbiteriana Unida do Brasil – IPU
Centro do Estudos Bíblicos – CEBI
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil – CONIC
Koinonia Presença Ecumênica e Serviço
Processo de Articulação e Diálogo – PAD
Coordenadoria Ecumênica de Serviço – CESE
 
Fonte: CESE
Fotos: CESE