A gente sempre acha que não dá mais para se surpreender, mas se surpreende. E até se assusta. Estou assustado com a maneira avassaladora como a “igreja brasileira” – usando um termo bastante impreciso para me referir a esse grande fenômeno de massa que ocupa enormes espaços na mídia, arrebanha multidões, e que tem um projeto claro de aparelhamento dos espaços de decisão, inclusive com representações nas câmaras, parlamentos e outros espaços da política nacional, como o Judiciário – vem dando mostras escancaradas de engajamento não apenas político, mas partidário. 
 
Pois essa “igreja brasileira” – formada por uma salada infinita, que vai do fundamentalismo protestante e seus derivados, até as novíssimas igrejas pentecostais-neo-pós-tudo, e que se somam a um grande contingente de católicos (no plural mesmo, pois longe da uniformidade pensada, o Catolicismo se constitui de numerosíssimos movimentos que guardam entre si uma relação muito mais simbólica, posto que no campo das ideias e práticas são absurdamente diferentes, divergentes e contraditórios) – está se superando a cada dia que passa em seus malabarismos bíblico-teológicos para escancarar o seu apoio a um candidato que apoia abertamente a tortura e a eliminação de grupos divergentes. 
 
Qual o sentido de um cristão apoiar um candidato que se dizendo cristão, faz apologia à TORTURA??? 
 
Não há sentido bíblico, ao menos não à luz da pessoa e das obras do Jesus de Nazaré. Como combinar “Bandido bom é bandido morto” com o “Ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo’. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem” (Mt. 5:43-44)? Simplesmente não dá para “esticar” o texto para desdizer o óbvio ululante. Ou você apoia o candidato-torturador e abre mão de ser discípulo do nazareno, ou vice-versa. 
 
Não há, certamente, um sentido lógico. Minimamente uma reflexão lógica há de nos fazer refletir que, por exemplo, dois erros não fazem um acerto. Não é possível achar que por termos uma situação de violência vamos aumentar a violência para diminuir a violência. Não faz sentido.
 
Não há sentido ético. Se pensamos ética como uma busca pela realização humana, como é possível combiná-la com ideais de eliminação da diferença, imposição de uma moral estrita, e falta de respeito às diferenças? 
 
Resta o sentido histórico... Sim, talvez seja isso. Pois se lembrarmos que grandes porções dos “cristãos” ao longo da história apoiaram as Cruzadas, apoiaram a Inquisição, participaram das Guerras de Religião, da Caça às Bruxas, estiveram do lado de Hitler e de Mussolini, participaram e participam da “guerra contra o mal” empreendida pelo “gigante protestante” que são os EUA, matando com bombas e disfarçando com bíblias...
 
Sim, sim... Há um sentido histórico naqueles que cantam louvores ao Jesus, preso, torturado e morto como um bandido entre bandidos, mas que apoiam os torturadores e seus apoiadores de plantão. Talvez retorne aqui a frase de Nietzsche, que dizia lavar as mãos depois de apertar as mãos de um cristão. No caso atual, talvez seja por que essas mãos estão cobertas de sangue.
 
Joel Zeferino é pastor na Igreja Batista Nazareth

 
"Estamos trabalhando pela unidade e estabilidade da ortodoxia e pelo testemunho eclesiástico comum". O Patriarcado Ecumênico, enquanto responsável em preservar a unidade, coordenar as relações interortodoxas e as iniciativas pan-ortodoxas, “exerce seu ministério na Ekumen ortodoxa, fiel aos princípios eclesiológicos e canônicos da ininterrupta da tradição dos padres."
 
Esta é uma das passagens mais significativas da homilia proferida na última segunda-feira (3/09) pelo patriarca Ecumênico Bartolomeu I, arcebispo de Constantinopla, na conclusão da oração comum dos metropolitas e arcebispos do patriarcado, realizada na Igreja da Santíssima Trindade de Stavrodromi, em Istambul. Entre os participantes, os metropolitas de Pérgamo, Iohannes, da Ilha dos Príncipes, Demétrio, e da França, Emanuel.
 
"A identidade de serviço e escatologia da Igreja - disse Bartolomeu - não é ameaçada somente pela secularização, mas também pelo fechamento e introversão de uma espiritualidade que entrou abundantemente na Igreja. Somos guardiões da sagrada herança dos padres, da fé reta, da adoração e glorificação e da ortopraxis em Cristo e segundo Cristo, da verdade que torna livres, da filocalia e da filantropia, do espírito de comunidade e da cultura de solidariedade, conscientes de uma continuidade histórica ininterrupta de uma tradição testemunhada por meio da confissão e do sacrifício dos santos, por meio da fidelidade ortodoxa e a espiritualidade, por meio do milagre da teologia dos padres, por meio do ethos da cruz e da ressurreição da ascese, pela forma eucarística da vivência, pela esperança da eternidade".
 
Um dever enfatizado também pelo metropolita de Pérgamo: "No mundo que virá, a ortodoxia não pode dar o próprio testemunho todo fragmentado, mas com uma só voz e um coração".
 
O patriarcado ecumênico tem o dever de recordar a todos a catolicidade e a universalidade da Igreja, destacando "o espírito de reconciliação e superação das diferenças, a serviço da unidade”.
 
Mas o presente é também representado pelo encontro com o mundo atual no qual a Igreja vive e dá seu testemunho: "Os grandes desafios dos tempos atuais, o predomínio da tecnologia e de seus resultados, a secularização e a globalização,  o avanço da redução e esquecimento da dimensão social e comunitária da liberdade, a injustiça social, o hedonismo, a destruição ambiental, mas também o filetismo étnico, o fundamentalismo religioso, o conflito das culturas e outras ameaças à sacralidade da pessoa humana, exigem respostas comuns, um testemunho comum e um comum avançar em direção ao futuro ", concluiu Bartolomeu.
 
Fonte: L’Osservatore Romano
Foto: Reprodução / AFP or licensors

 
Os parlamentares brasileiros são os mais bem pagos da América Latina, com um salário de R$ 33.763 por mês, fora benefícios. Contando os benefícios, eles recebem, em média, R$ 179 mil todos os meses. Com isso, os deputados federais e senadores estão bem longe da realidade do Brasil.
 
Segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais 2017, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 25% dos brasileiros, o equivalente a um em cada quatro, tinham em 2016 uma renda domiciliar per capita de até R$ 387 por mês. Isso significa que 52,1 milhões de pessoas viviam em situação de pobreza no país. E a situação hoje pode ser até pior, devido ao aumento do desemprego.
 
Para ter uma noção do abismo que separa os brasileiros em situação de pobreza e os parlamentares, um brasileiro que tem renda mensal de R$ 387 demoraria 87 meses, isto é, 7 anos e 3 meses, para conseguir o que um parlamentar ganha de salário em um mês (sem considerar os benefícios).
 
A pobreza atinge principalmente crianças e adolescentes de 0 a 14 anos (42%), homens e mulheres pretos/pardos (67%), famílias formadas por mulheres sem companheiros e com filhos de até 14 anos (55% do total desse tipo de família), e mulheres pretas/pardas também sem companheiro e com filhos de qualquer idade (64%).
 
Segundo o site Congresso em Foco, os gastos anuais com os 513 deputados federais chegam, hoje, a R$ 1,1 bilhão. Cada deputado custa anualmente mais de R$ 2,1 milhões.
 
Por mês, são mais de R$ 91,8 milhões gastos com os salários, benefícios e privilégios dos deputados federais. Em média, cada deputado custa R$ 179 mil por mês ao país. São R$ 33,7 mil de salário; R$ 1,4 mil de ajuda de custo; entre R$ 30,4 mil e R$ 45,2 mil de cotão (valor que varia de estado para estado e que é usado para gastos como passagens aéreas, fretamento de aeronaves e alimentação do parlamentar); auxílio-moradia de R$ 4,2 mil ou apartamento funcional; e R$ 101,9 mil de verba de gabinete para até 25 funcionários.
 
Fonte: Observatório do Terceiro Setor
Foto: Reprodução

 
No feriado de 7 de setembro serão realizadas as já tradicionais manifestações do Grito dos Excluídos, um conjunto de ações articuladas pelos movimentos sociais em todo o Brasil. Desde sua primeira edição, em 1995, a manifestação tem como mote "A vida em primeiro lugar", e em 2018, chegando a seu vigésimo quarto ano, o tema específico é "Desigualdade gera violência: basta de privilégio".
 
Durante entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira (30), Roselene Vanceto, da coordenação nacional do Grito dos Excluídos, diz que os questionamentos propostos pela mobilização têm relação com o tipo de sociedade se deseja construir. "A gente está discutindo um modelo de Estado. Hoje, ele privilegia o mercado e lucro e, ao povo, resta o Estado mínimo, como o corte de políticas públicas e sociais. É um momento importante para a gente discutir um projeto para a nação", afirma, em entrevista à repórter Ana Rosa Carrara, da Rádio Brasil Atual.
 
O professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Plínio de Arruda Sampaio Júnior destaca que a população pobre das periferias é a que mais sofre com a violência estrutural gerada pela desigualdade.
 
"A violência que estamos vivendo é a barbárie do capitalismo. 62 mil mortos por ano e a maioria é negra, jovem e trabalhadora. Um a cada quatro trabalhador está desempregado ou subutilizado. É contra essa violência que o povo precisa se organizar", explica.
 
Bruna Silva, mãe de Marcos Vinicius, adolescente de 14 anos assassinado pela Polícia Civil durante ação no Complexo da Maré, no dia 20 de junho, diz como a intervenção militar no Rio de Janeiro, que já completou seis meses, reflete na vida dos moradores de favelas.
 
"Hoje em dia você pega um ônibus e o que vê de policial com fuzil apontado para a população. A intervenção chegou para todos nós, pobres, porque ela só está matando inocente e criança. Quando mataram meu filho, eles deram um tiro no pé, pois me deixaram viva e estou aqui para apontar o dedo na cara deles", afirma a mãe.
 
O Grito dos Excluídos acontece em várias cidades do país, articulado por movimentos e pastorais sociais. A versão mais antiga é realizada na cidade de Aparecida, no estado de São Paulo, em conjunto com a Romaria dos trabalhadores e trabalhadoras.
 
Na cidade de São Paulo estão confirmados dois atos com concentração a partir das 9h. Um deles acontece na Praça da Sé, região central da cidade, e o outro começa na Praça Oswaldo Cruz e termina no Parque Ibirapuera. Manifestações estão previstas em diversas regiões do país.
 
Fonte: Rede Brasil Atual
Foto: Reprodução

 
Nesta Semana da Pátria, de 1 a 7 de setembro, o CONIC e o Fórum Ecumênico ACT Brasil propõem um diálogo sobre Democracia.
 
Contextualização
 
O termo Democracia tem sido utilizado para justificar as mais diferentes práticas políticas. Algumas vezes, essas práticas chegam a incluir processos de intervenção de países economicamente fortes em países com economia frágil, mas com grande riqueza extrativista, petrolífera ou aquífera. Nestes casos, o argumento, geralmente, é que tais países são pouco democráticos e que cabe às potências levar a Democracia para que o povo “se sinta livre”.
 
O termo Democracia também é utilizado quando um povo reivindica maior participação nas decisões políticas que envolvem suas vidas. Aqui no Brasil, por exemplo, o conjunto da população brasileira não foi consultado se queria ou não a Reforma Trabalhista. A população brasileira também não pôde opinar sobre a Emenda Constitucional 94/2016, que congelou por 20 anos os investimentos públicos para a educação e a saúde. Uma Lei que afeta diretamente a vida das pessoas foi decidida por um grupo não representativo da sociedade brasileira.
 
É possível dizer que o Brasil é um país democrático? 
 
Poderíamos dizer sim e não. 
 
Sim, se considerarmos que as pessoas, dependendo de onde moram, têm a liberdade de ir e vir. Podemos viajar, constitucionalmente o Brasil é laico, garante a liberdade de expressão, entre outras coisas. Não, se considerarmos que a participação da sociedade civil nas decisões políticas é baixo. Muitas vezes, quando a sociedade civil se organiza, ela é fortemente reprimida. A desigualdade econômica, racial e de gênero também nos distanciam da Democracia.
 
Nesse cenário confuso, entram para o time de “defensores da Democracia” personagens que defendem ideias como: cerceamento de direitos às minorias; perseguição política e/ou econômica; intolerância religiosa; xenofobia; opressão da mulher, armamento da sociedade, concentração de renda, entre outros. 
 
Várias vozes acabam se sobrepondo umas às outras. Em um ambiente em que todas as pessoas falam e não se ouvem, é necessário parar, porque a Democracia também pressupõe a capacidade da escuta, afinal, para debater é necessário ouvir o argumento do outro. Na Ágora Grega, onde nasceu a ideia de Democracia, o debate era fundamental. Debate, não insulto. Para debater, repetimos, é importante ouvir! Se você é de esquerda, precisa ouvir a direita. E vice-versa. Do mesmo modo, se você é religioso, precisa aceitar aqueles que não creem em nada... sobretudo dentro do Estado brasileiro, que é laico.
 
Tendo tudo isso em mente, na Semana da Pátria, o CONIC e o Fórum Ecumênico ACT Brasil querem provocar, via redes sociais, a reflexão sobre como as Igrejas e diferentes tradições de fé, enquanto expressões no espaço público brasileiro, podem contribuir para os valores democráticos, que busquem e fortaleçam a garantia de direitos para todas as pessoas, respeitem a divergência de opiniões, fortaleçam a cultura da paz, apoiem ações para a superação das desigualdades estruturais e a superação da cultura de ódio.
 
Nosso espaço do Facebook será a nossa Ágora Ecumênica!
 
 
Como opinar?
 
A partir de 1° de setembro, até o dia 7 de setembro, publicaremos na página do CONIC no Facebook (acesse aqui) artes alusivas a algum tema ligado à Democracia. Ali, nos comentários, você pode comentar, expor sua opinião, ou simplesmente curtir a postagem com uma daquelas opções: “coração”, “carinha de alegre”, “cara de bravo”... isso também é uma forma de opinar.
 
Sua opinião, seja ela qual for, será muito importante! 
 
Mas lembre-se: opinar não é agredir! Opine com argumentos!

 
Representantes da Igreja Católica participam na Rússia de 24 de agosto a 2 de setembro do curso de formação de verão organizado pelo Patriarcado de Moscou.
 
A delegação – refere um comunicado da Church post-graduate and doctoral school da Igreja Ortodoxa Russa – é guiada pelo bispo de Saint-Dié, Didier Berthet, presidente do Conselho para a Unidade dos Cristãos e as Relações com o Judaísmo da Conferência Episcopal Francesa, acompanhado pelo padre Hyacinthe Destivelle, assistente para o departamento oriental do Pontifício Conselho para a promoção da Unidade dos Cristãos.
 
Aprofundar o conhecimento do cristianismo ortodoxo
 
São cerca de 15 os jovens sacerdotes e estudantes originários da Itália, Espanha, França, República Tcheca e Romênia que participam do curso com o objetivo de aprofundar seus conhecimentos sobre o cristianismo ortodoxo.
 
Estes encontros em Roma e Moscou entre o clero ortodoxo e católico são realizados já há alguns anos, tendo se intensificado após o encontro entre o patriarca Kirill e o Papa Francisco em Cuba, em 12 de fevereiro de 2016.
 
Programação
 
Na programação, entre outros, a visita à instituições e locais marcantes da ortodoxia, como o  Mosteiro da Trindade de São Sérgio, em Sergiev Posad - considerado o mais importante centro espiritual ortodoxo russo - mas também a locais sagrados, centros de espiritualidade e monumentos em Veliky Novgorod, São Petersburgo e Moscou. A delegação com os estudantes provenientes das diversas universidades será recebida  pelo Patriarca Kirill.
 
Proteção dos cristãos e salvaguarda dos valores tradicionais
 
“Estas visitas – declarou padre Destivelle ao site Cath.ch – têm por objetivo aumentar o conhecimento recíproco, em particular sobre a comunidade ortodoxa”.
 
O Patriarcado de Moscou precisa que no centro destes dias de estudo está o tema “da proteção dos cristãos e da salvaguarda dos valores tradicionais”.
 
E revela, que esta “universidade de verão” é financiada pela Fundação Russa Russkyi Mir (mundo russo) e pela fundação estadunidense Urbi et Orbi.
 
Construir pontes de confiança
 
A Fundação russa foi criada em 2007 pelo presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, com o objetivo de promover o patrimônio nacional e a estadunidense pelo diretor da revista «Inside the Vatican», Robert Moynihan.
 
Com esta iniciativa – explica Moynihan – queremos construir “pontes de confiança” entre Ocidente e Oriente e “uma sociedade mais livre a mais justa”.
 
Fonte: L'Osservatore Romano
Foto: Pixabay