no a la violencia1

La Red de Mujeres y Justicia de Género de las Iglesias miembro de la Federación Luterana Mundial (FLM) en América Latina y el Caribe ha emitido un comunicado público expresando desacuerdo y no aceptación contra la violencia hacia las mujeres y la cultura de la violación que culpabiliza a las víctimas.

¡No en Nuestro Nombre!

Conscientes de las realidades de violencia desafiantes y sintiendo el dolor de muchas mujeres, jóvenes mujeres y niñas viven en el mundo que viven bajo culturas de violencia donde las violaciones y los feminicidios se siguen perpetrando atribuyendo la responsabilidad a las propias víctimas; la Red de Mujeres y Justicia de Género ha levantado la voz para “denunciar estas violencias y al mismo tiempo expresar una palabra de ánimo y de motivación desde la fe para seguir forjando procesos de cambio, de relaciones justas basadas en el amor y la justicia” indica el comunicado.

Las impactantes imágenes del video de la violación colectiva de una joven de 16 años en manos de aproximadamente 30 hombres ha sido el evento culminante que ha causado dolor e indignación entre las mujeres, lideres Cristianas y comunitarias y pastoras y teólogas quienes, haciendo uso de los medios de comunicación, decidieron expresar su indignación y rechazo a la brutalidad de la violencia contra las mujeres en el continente.

La Pastora Ángela Trejo Haager de la Iglesia Luterana Mexicana ha expresado junto con otras líderes su agradecimiento por el trabajo profético hecho durante estos días. "En Argentina marchamos de nuevo el viernes 3 de junio #Ni una menos. En Misiones cada día hay un nuevo crimen de violencia de género, sea violación, femicidio, u otro tipo de violencia" expresó Maria Elena Parras, Diácona de la Iglesia Evangélica Luteana Unida.

Cultura patriarcal y fundamentalismo religioso contribuyen a la violencia

La distribución social roles y poderes en la sociedad todavía guarda rasgos fuertes de una cultura patriarcal donde el ejercicio de la violencia contra las mujeres es casi “normalizado”. La Red de Mujeres, analiza los últimos acontecimientos políticos en la región que en gran medida son influenciados por grupos religiosos fundamentalistas, se desvincula de toda forma que use las escrituras para institucionalizar la violencia. “En el ámbito patriarcal se crea y mantiene una cultura de legitimación y normalización de la violencia” indica el comunicado. “Los fundamentalismos religiosos han empujado a que de nuevo las mujeres seamos silenciadas e invisibilizadas en todos los sectores religiosos, políticos y sociales. (…) En nombre de la religión y de una lectura fundamentalista y literal de la Biblia, ten textos sagrados se intenta sacralizar las injusticias usando el nombre de Dios para justificar prácticas de exclusión, maltrato, sufrimiento” explica el documento.

Las mujeres de la Red explican que el lenguaje religioso es sutilmente usado para continuar afirmando el poder de poco hombres contras muchos, especialmente contra las mujeres. La violencia verbal, que muchas veces se camufla en mensajes subliminales pero que afirman una segunda o tercera categoría para muchas poblaciones vulneradas, especialmente mujeres, en los tejidos sociales desfigura “la dignidad de las mujeres”. Por otro lado, el silencio de las organizaciones sociales, de la cual la iglesia hace parte, no solo amenazan a los cuerpos femeninos sino contribuyen a la violencia y concretamente al asesinato que las mujeres viven día a día.

“Anunciamos que ninguna forma de violencia va con el deseo de Dios quien como Padre y Madre ha creado al ser humano –hombre y mujer- a su imagen y semejanza (Génesis 1:27). Todos y todas somos personas dignas. En el texto bíblico encontramos narraciones que dan importancia y respeto a las corporalidades. Pero también encontramos una voz de denuncia ante los eventos de violencia basada en el género, doméstico, sexual, y de todo tipo” indica el comunicado.

¡Esto no puede seguir así; esto debe acabar!

El Secretario General de la FLM Rev. Dr. Martin Junge ha escrito una carta pública a las iglesias miembro de la FLM en la región expresando su total apoyo al poderoso y claro mensaje de la Red de Mujeres. No obstante, Junge afirma que la superación de toda forma de violencia no es un tema que trasciende la inquietud de las mujeres solamente. Este asunto concierne a todos, varones y mujeres. “La erradicación de todo tipo de violencia contra las mujeres no puede ser asunto de mujeres. Requiere de hombres y mujeres que a partir de su fe han comprendido que lo que culturalmente pueda aparecer como aceptable, el Evangelio lo desenmascara como inaceptable, y que los procesos de cambio necesariamente pasan por una transformación de las relaciones entre hombres y mujeres que coloque la dignidad y el bien de todas las personas al centro”.

La FLM está comprometida con la superación de la violencia contra las mujeres y promueve los documentos que la Secretaría para las Mujeres en la Iglesia y la Sociedad (MEIS) ha desarrollado y usa para el empoderamiento y la conversión: “La Iglesias dicen NO a la violencia contra las Mujeres” y la “Política de Justicia de Género”. “Insto a las iglesias a nuevamente retomar estos temas, o continuar profundizándolos. Las invito a sumarse a quienes desde otras vocaciones comparten la visión de superar la violencia contra la mujer. Las llamo a aportar a la conversión de mentes y corazones, desplegando con ello todo el potencial liberador del Evangelio de Jesucristo quien, antes de que perpetuar la violencia, tomó sobre si la violencia para que todos tengamos vida – vida en abundancia” termina su carta.

Llamado a la solidaridad y acciones contra la violencia

Animando a que las iglesias continúen involucradas en trabajar políticas de género, en promover la educación para el respeto, equidad, la justicia de género en las relaciones y estructuras de las propias iglesias, la Red de Mujeres hace un llamado para:

- Crear grupos de información y reflexión sobre el tema con jóvenes y adultos, ya sean laicos u ordenados
- Discutir sobre el lugar que tiene el tema de la violencia en su país y ciudad
- Enterarse de quienes trabajan en este tema en su país, ciudad (organismos gubernamentales, no gubernamentales, NGOs, iglesias, otros)
- Si todavía no es el caso, ¿cómo puede su iglesia unirse a estas organizaciones?
- ¿Cómo trata su iglesia este tema y cómo quisieran hacerlo desde ahora?
- Incluir este tema en las oraciones y liturgias de la iglesia.

Carta del Secretario General de la FLM

Fonte: Red de Comunicaciones FLM
Foto: Reprodução

IMG 59FB02 B09861 64040A 7F07C0 ACA954 E08346

Por iniciativa do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC-RS) e da Fundação Luterana de Diaconia (FLD), foi dado o primeiro passo para a criação do Fórum Inter-religioso e Ecumênico em Porto Alegre (RS), no dia 1º de junho, em um encontro que teve participação representativa e diversa. O fórum se propõe a ser um espaço livre e aberto para diálogo, reflexão e formação. Sua atuação vai se dar a partir de três eixos: Democracia, Diversidade e Direitos Humanos.

“Começamos a sonhar com esta proposta no Ato Inter-religioso e Ecumênico em Defesa da Democracia e Direitos, realizado no dia 14 de abril, em Porto Alegre”, disse o bispo da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB), presidente da Diretoria do CONIC/RS, Dom Humberto Maiztegui, na abertura do encontro. “É por isso que estamos aqui.” A secretária executiva da FLD, Cibele Kuss, pastora da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), fez a acolhida, agradecendo pela resposta positiva ao convite.

Depois da apresentação individual, as pessoas dividiram-se em pequenos grupos, elencando suas expectativas em relação ao fórum, depois levadas à plenária: este deve ser plural, como também é a sociedade, deve ser um contraponto ao crescente conservadorismo no cenário religioso, comungar com as diferenças e cultivar o respeito, promover o diálogo, mas também garantir que ideias e ações tenham impacto para fora, na sociedade, construir uma caminhada conjunta entre as e os integrantes, criando vínculos de confiança e de participação política, entre diversas outras propostas .

Participaram do lançamento representantes de religião de matriz africana, de organizações cristãs, de entidades de ensino e de organizações da sociedade civil. Também estiveram presentes pessoas cidadãs, com interesse pela proposta.

A próxima reunião será no dia 30 de junho, às 18h30, novamente na sede da FLD, Rua Dr. Flores, 62, 9º andar, no Centro Histórico de Porto Alegre.

Fonte: www.fld.com.br
Foto: Reprodução

luto cultura do estupro

Programa de Gênero e Religião da Faculdades EST

Nos últimos dias temos acompanhado a repercussão do crime do qual foi vítima uma adolescente no Rio de Janeiro. Aos 16 anos de idade ela foi vitimada por mais de 30 homens que cometeram estupro contra ela. Embora as palavras possam parecer fortes e, cada vez que são pronunciadas, violentem mais uma vez essa menina e todas as outras mulheres vítimas de violência ou com medo de serem a próxima, é preciso dizê-lo: enquanto do ponto de vista da lei se trata de um crime, do ponto de vista da teologia e da igreja se trata de um pecado cometido contra ela, contra todas as mulheres e toda a humanidade e contra Deus, que diz: Justiça quero, e não sacrifícios (Mateus 9.13).

A repercussão do caso gerou uma ampla reação e discussão, mobilizando principalmente grupos de mulheres e de defensoras e defensores de seus direitos. Surgiram campanhas e manifestações espontâneas em vários lugares e em diversos meios, denunciando a cultura do estupro e todas as formas de violência contra as mulheres. Infelizmente, entre essas manifestações também se contaram posicionamentos que perpetuam essa mesma cultura, buscando culpabilizar a vítima e justificar o injustificável. Dentre esses, alguns, inclusive, apelando para argumentos pseudo religiosos que tanto questionam a legitimidade da vítima quanto oferecem a adesão a uma instituição ou grupo religioso como forma de superação dessa realidade. Ora, como se a violência contra as mulheres não estivesse presente em nossas igrejas e não fossem elas e suas teologias, muitas vezes, que legitimassem esses mesmos atos.

Nesse sentido, como espaço que promove o ensino e a pesquisa sobre gênero e religião, tanto na instituição quanto para além dela, nos sentimos desafias a erguer nossa voz juntamente com tantas outras para denunciar tais injustiças que se materializam no sacrifício dos corpos de tantas mulheres todos os dias. Há décadas as teologias feministas têm denunciado uma teologia do sacrifício que, aplicada diferentemente para homens e mulheres, justifica atos de violência praticados contra mulheres como sofrimento justo a ser recompensado em uma outra vida. Esse tipo de teologia contraria a mensagem evangélica trazida por Jesus: eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância (João 10.10) e condiciona a graça e a justiça de Deus destinada a todas as pessoas como efeito de terem sido criadas à imagem e semelhança de Deus. Os sacrifícios e torturas a que milhares de mulheres são submetidas cotidianamente através de atos extremos como o estupro ou de práticas desumanizantes consideradas inocentes e que configuram a cultura do estupro atentam contra a vontade de Deus e a sua justiça.

Não podemos deixar de denunciar todo o sistema que permite que esse tipo de cultura e esse tipo de teologia se mantenham intactos. Nossas relações interpessoais e institucionais são marcadas por estruturas patriarcais que reproduzem as desigualdades de gênero, as quais se manifestam como violência e, muitas vezes, são aceitas como naturalizadas. No momento de crise política que vivemos em nosso país, não podemos deixar de relacionar o ataque às práticas democráticas em diversos âmbitos com o ataque e o retrocesso no campo dos direitos das mulheres. A misoginia que tem marcado os processos políticos vividos e as práticas políticas em âmbito governamental, restringindo legislações e políticas públicas de promoção da igualdade de gênero e proteção dos direitos das mulheres, é a mesma revelada no aumento de feminicídios e de outras formas de violência contra as mulheres em intensidade e frequência. Precisamos de novas relações que estejam pautadas pela justiça de gênero, pois não se coloca remendo de pano novo em roupa velha (Mateus 9.16).

Como sinal desse compromisso com a justiça de gênero nossa instituição adotou, em 2015, uma Política de Justiça de Gênero[1], seguindo a proposta da Federação Luterana Mundial que adotou documento semelhante em 2013 e tantas outras iniciativas em âmbito teológico e eclesiástico.[2] Esse ato é também resultado de uma caminhada de 25 anos da Cátedra de Teologia Feminista na Faculdades EST, agora assumida pelo Programa de Gênero e Religião, reafirmando através do ensino e da pesquisa a dignidade das mulheres e a necessidade do engajamento firme dos homens para a superação das relações injustas de gênero.

Como espaço de reflexão teológica que busca incidir na prática da Igreja da sociedade conclamamos todas as igrejas e grupos religiosos, em especial aos grupos de mulheres nesses espaços, para que se manifestem em solidariedade a todas as mulheres vítimas de violência e sejam espaços seguros e de acolhimento para essas mesmas vítimas, na esperança de que as pessoas que choram, serão consoladas (Mateus 5.4)!

[1] Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/genero/article/view/2490.

[2] Veja o material “As igrejas dizem não à violência contra as mulheres” da Federação Luterana Mundial, disponível em: http://www3.est.edu.br/biblioteca/ebooks/Igrejas%20dizem%20nao%20a%20violencia.pdf; e material produzido pela Coordenação de Gênero da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil “Estudos sobre gênero”, disponível em: http://www.luteranos.com.br/conteudo/estudos-sobre-genero.

081844b8a29c886d25746ccb5304f59d XL

Fiel à luta pela universalização do saneamento básico, a Assemae realizou, de 16 a 19 de maio, a 46ª Assembleia Nacional da entidade, que reuniu 1.874 participantes em uma intensa programação de palestras, painéis, apresentação de trabalhos técnicos e feira de tecnologias. O evento ocorreu na Sociedade Cultura Artística (Scar) de Jaraguá do Sul (SC), debatendo como tema central o acesso ao saneamento básico enquanto direito de todos. O 1º vice-presidente do CONIC, pastor Inácio Lemke, participou do evento falando sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica que, este ano, trabalhou o tema do saneamento.

A Assembleia unificou representantes de todas as regiões do país, entre gestores públicos, técnicos, ambientalistas, lideranças de movimentos sociais, empresários, pesquisadores e organizações não governamentais. A programação de debates abordou 13 temas sobre a gestão do saneamento básico, como os desafios para a manutenção de barragens, geração de eletricidade em saneamento, prevenção a enchentes, perspectivas de financiamentos públicos, gerenciamento de resíduos sólidos e a relação do saneamento com as doenças provocadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Segundo o presidente da Assemae, Aparecido Hojaij, o evento se consagrou como um dos principais pontos de encontro anual para o debate das políticas públicas relacionadas ao saneamento básico. “As Assembleias Nacionais representam um esforço contínuo da Assemae, que há 32 anos empunha a bandeira municipalista a favor da saúde da população brasileira e da preservação dos recursos naturais, ambas garantidas pela implementação das atividades do setor. Esperamos que as reflexões destacadas no evento sejam ecoadas nos gabinetes de nossos governantes, e que a força dos municípios nos conduza rumo à universalização do saneamento básico de qualidade”, destaca.

O prefeito de Jaraguá do Sul (SC), Dieter Janssen, afirmou ser uma honra para o município receber a Assembleia da Assemae, especialmente porque o evento abordou a questão do saneamento básico. “Temos uma cidade que cresce em parceria com o desenvolvimento sustentável. Daí a importância de mostrar os avanços de nosso município, incluindo a construção de obras e o apoio à gestão. Com este investimento nas ações de saneamento, quem ganha saúde e qualidade de vida é a população brasileira”, completa.

Conforme ressaltou o presidente da Assemae Regional de Santa Catarina e diretor-presidente do Samae de Jaraguá do Sul, Ademir Izidoro, a 46ª Assembleia da Assemae cumpriu seu papel de promover o debate nacional a respeito do saneamento básico público, tendo como meta a universalização do acesso aos serviços do setor. “Ao receber um evento dessa grandiosidade temos a oportunidade de mostrar o que temos feito de bom, e assim, podemos contribuir para a ampliação do conhecimento e da troca de experiências entre os profissionais”, disse.

Experiências exitosas foram apresentadas

A 46ª Assembleia também promoveu a 20ª Exposição de Experiências Municipais em Saneamento (EEMS), que apresentou mais de 140 trabalhos técnicos sobre temas do setor. Representando o SAAE de Guarulhos (SP), a proposta de ferramenta computadorizada para cadastro de redes em tempo real foi considerada o melhor trabalho da Exposição, com a autoria de Thiago Garcia da Silva Santim, Fernando Cesar Uzan e Luiz Eduardo Mendes.

Feira de saneamento mostrou tecnologias para o setor

Além da programação de debates, a 46ª Assembleia ofereceu uma feira de saneamento básico de 1.639m², com a participação de empresas nacionais e internacionais que fornecem tecnologias ao setor de saneamento. No local, os visitantes apreciaram diversas inovações tecnológicas em processos, serviços e equipamentos, sobretudo, para os operadores de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza e drenagem urbana.

Visitas técnicas atraíram grande público

No âmbito de atividades paralelas, os participantes da Assembleia tiveram a oportunidade de realizar visitas monitoradas à sede da empresa WEG, uma das maiores fabricantes de motores elétricos do mundo, e também à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) São Luís, inaugurada em março desse ano. A programação do encontro disponibilizou, ainda, um minicurso sobre modelagem hidráulica em redes de água e esgoto, que foi recorde de inscrições.

Carta de Jaraguá do Sul reafirma compromisso da Assemae com a gestão pública

Como resultado do evento, a Assembleia Geral de associados aprovou a “Carta de Jaraguá do Sul”, documento que reafirma o compromisso da Assemae a favor do municipalismo autônomo e soberano nos rumos do saneamento básico. De acordo com o texto, a entidade não medirá esforços para que os serviços municipais tenham capacidade técnica e financeira de gestão, garantindo a continuidade da prestação dos serviços, a manutenção da estrutura e a otimização dos recursos disponíveis.

Fonte: Assemae
Foto: Reprodução

ret 0033 1400px

A última quinzena do mês de maio foi bastante movimentada para a secretária-geral do CONIC, Romi Bencke. Entre os dias 18 e 30, ela cumpriu uma série de compromissos representando o Conselho de Igrejas. Romi é pastora luterana, vinculada à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB).

Consulta Educação, Transformação e Reforma

De 18 a 22, Romi participou da Consulta Educação, Transformação e Reforma. O evento, que está inserido no contexto do jubileu da Reforma Protestante (que em 2017 completa 500 anos), foi realizado em Halle e é uma continuidade da Consulta – de mesmo teor – realizada 2015, em São Leopoldo (RS). O objetivo principal desse evento foi refletir sobre os significados da Reforma para a atualidade.

Cerca de 140 pessoas, oriundas de países da África, América Latina, América do Norte e da Europa, participaram das discussões. Entre os assuntos debatidos, em plenárias e oficinas, estava a relevância da Reforma para as tradições eclesiais originárias desse processo. Ações diaconais e sociais promovidas pelas diversas Igrejas envolvidas foram discutidas e avaliadas.

O documento final da Consulta enfatizou que são necessárias formas criativas e inovadoras para a promoção da aprendizagem ecumênica global, capazes de incentivar diálogos interculturais e parcerias transnacionais entre diferentes igrejas. Ao mesmo tempo, as congregações e igrejas precisam ser transformadas para que nenhuma pessoa seja excluída.

A transformação exige o envolvimento de todo o povo de Deus. As vozes dos povos indígenas devem ser ouvidas, as mulheres valorizadas como sujeitos. As comunidades deveriam compreender-se como comunidades de diversidade intercultural, abertas ao diálogo e à mudança.

Para que as igrejas sejam agentes de transformação é necessário abertura para o contexto e a tolerância. Igrejas precisam ser agentes de reconciliação, oferecendo um testemunho profético.

Em relação ao atual contexto mundial, o documento final da Consulta destacou que o mundo precisa de transformação. As realidades são de fragmentação e conflitos. Muitas das tensões atuais envolvem fundamentalismo religioso. Muitas violências são justificadas com a instrumentalização da religião. É tarefa da educação teológica promover uma compreensão crítica dos textos sagrados e das tradições religiosas para superar o comportamento religioso que legitima a promoção da violência e das divisões entre diferentes tradições de fé.

A Reforma Protestante foi um não à ganância financeira, à corrupção e à idolatria religiosa. Os princípios da Reforma têm profundas implicações para o reconhecimento, promoção e desenvolvimento de alternativas para as realidades econômicas atuais. Por isso, é fundamental o empenho em favor dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio da Organização das Nações Unidas. Igrejas e organizações religiosas têm um contributo significativo para oferecer. Elas podem contribuir para o fortalecimento da relação entre educação e de desenvolvimento holísticos. Nestas tarefas, transformação social, ecológica, econômica e espiritual precisa ir de mãos dadas.

A Consulta foi promovida por: Pão Para o Mundo, EMW, Faculdades EST, martim-Luther Universität Halle-Wittenberg, Frankesche Stiftungen zu Halle, e recebeu o apoio de: CMI, Federação Luterana Mundial, EKDA (Igreja Evangélica da Alemanha) e Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas.

Do Brasil, participaram pessoas das Faculdades Est (professores e estudantes), CONIC e Pe. Elias Wolff (Católico Romano e membro da Comissão Teológica do CONIC).

Outros compromissos

Também fizeram parte da agenda da pastora Romi as seguintes atividades:

- 23 a 25 de maio: reunião de trabalho com Misereor

- 25 a 27: reunião com Christian Aid

- 28 a 30: participação no Dia da Igreja Católica, em Leipzig

0033

Nós da Comunidade Anglicana Bom Pastor – Vitória, ES, da Diocese Anglicana do Rio de Janeiro, não encontramos palavras para descrever nosso repúdio, nossa indignação e nossa revolta contra toda a violência sexual, física, moral, psicológica, dentre outras violências as quais as mulheres vêm sendo submetidas hoje e sempre em nosso país.

As terríveis notícias da adolescente de 16 anos barbaramente estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro e da adolescente de 17 estuprada por 5 homens no Piauí, nos causam profunda dor e indignação. Contudo, não devemos nos enganar, esses não foram casos isolados, os estupros coletivos no Brasil ocorrem com frequência. O fato é que no Brasil uma mulher é estuprada a cada 11 minutos.

Vivemos numa sociedade machista e patriarcal, herdamos a noção que mulher é propriedade do homem e a nossa educação que é impedida de falar sobre questões de gênero na escola ainda hoje cultiva isso, pois, os meninos não são educados a respeitar as mulheres. Também os meios de comunicação com propagandas favorecem a cultura machista seja pela objetificação da mulher como em propaganda de cervejas ou de desodorantes que mostram as mulheres como se estivessem disponíveis aos homens ou em novelas e programas de TV onde a violência contra a mulher é banalizada e romantizada – muito distante da realidade que frequentemente termina em morte de mulheres – ou pelo reforço de papéis sociais onde as mulheres são diminuídas e colocadas em papéis domésticos ou em funções de dependência do homem. Com tudo isso, vemos que não educamos os futuros homens do Brasil.

É nosso dever como Igreja de Cristo não permanecer alheios e omissos nesta situação, portanto, devemos denunciar e agir contra toda a violência contra as mulheres. Precisamos nos conscientizar dos erros do passado e do presente para mudar nossos corações para que, renovados pelo Espírito Santo, possamos seguir o exemplo de Cristo que, em sua caminhada na terra, sempre acolheu e protegeu às mulheres até das leis da sua época.

Devemos assumir que mudança dessa cultura machista e patriarcal depende de todos nós, que todos nós sejamos responsáveis debatendo e combatendo todas as formas de violência contra a mulher dentro e fora das igrejas, sobre tudo nas escolas; que as autoridades ajam com rigor contra esses e contra todos os crimes cometidos contra as mulheres, visto que a sensação de impunidade contribui com a ocorrência da violência; que tenhamos em mente que o combate ao machismo e sexismo precisar ser um assunto fundamental dentro da Igreja.

Rogamos a Deus que as duas adolescentes possam reorganizar suas vidas, com o acompanhamento das famílias e amigos e o consolo e conforto para todas as mulheres vítimas da violência sexual. E, pedimos também que Deus de coragem a todos os homens para assumir a responsabilidade pelo enfrentamento de todas as violências contra as mulheres.

Comunidade Anglicana Bom Pastor – Vitória ES

blue entrega certificado
 
“É com grande prazer que conferimos à Universidade Federal de Lavras o certificado Blue University – a segunda universidade do mundo a receber o reconhecimento”. Essa foi a declaração de Maude Barlow, cofundadora e líder do movimento global Blue Community (Projeto Comunidades Azuis) – do Council of Canadians, durante  conferência internacional realizada no dia 13 de maio, na Universidade de Berna, Suíça. O certificado foi recebido pelo reitor da UFLA, professor José Roberto Scolforo, idealizador e gestor do Plano Ambiental e Estruturante que conduziu a Instituição ao status de universidade mais sustentável do País e exemplo internacional de gestão ambiental.
 
O reconhecimento internacional é fruto das ações implementadas na Universidade, atendendo a seis critérios fundamentais: reconhece a água como um direito humano; promove o consumo de água por meio de infraestrutura pública e gratuita; a gestão da água é de forma responsável; mantém serviços de tratamento da água para consumo e residuais; cultiva parcerias para defender o direito à água em nível internacional e desenvolve pesquisas sobre a gestão sustentável da água.
 
A UFLA é a segunda universidade do mundo a receber o reconhecimento, a primeira foi a Universidade de Berna. O certificado atesta que a Universidade é uma instituição que pratica e defende os recursos hídricos compartilhados. Um reconhecimento de que a Universidade prima pela produção, tratamento, uso e reaproveitamento da água.
 
Para Scolforo, um momento de realização e alegria. “Gostaria de dividir com toda a comunidade da UFLA e a cidade de Lavras e região um dos mais expressivos certificados que a Universidade já ganhou durante toda a sua história. A certificação ‘Universidade Azul’ é decorrente da gestão democrática das águas e da responsabilidade ambiental confirmada pelas ações praticadas em nosso câmpus”, considerou o reitor.
 
Resgatando brevemente as linhas prioritárias do Plano Ambiental e Estruturante, Scolforo destaca as ações de revegetação e proteção das nascentes, o tratamento adequado da água e com qualidade, sua distribuição democrática e o tratamento de esgoto que além de tratar a água residuárias de todo os processos, fornece água para reuso em atividades de irrigação dentro do câmpus. “As práticas sustentáveis influenciaram de forma positiva o envolvimento de toda a comunidade acadêmica, ampliando o orgulho de pertencer à Instituição”, enfatizou.
 
“Naturalmente, esse certificado aumenta a responsabilidade da Universidade, sobretudo, na gestão dos recursos hídricos. Vamos continuar contando com a colaboração de todos para aprimorar nossos processos e tornar nossa Instituição cada vez mais reconhecida internacionalmente como exemplo de gestão ambiental. Ficamos encantados com a receptividade e ainda mais felizes por sermos a segunda Universidade a receber a certificação no mundo”, destacou, reconhecendo a missão de levar essa experiência para além dos muros da Universidade, impactando positivamente as cidades do nosso entorno, do Estado e do País.
 
De forma simbólica, o certificado reforça os ideais da UFLA no que tangem à conservação do meio ambiente, em três vertentes fundamentais: formação de profissionais mais conscientes e com vivência de práticas de sustentabilidade tornando-se embaixadores dessa causa no mercado de trabalho; incentivar que a extensão universitária compartilhe soluções e práticas reais para a transformação da sociedade; e, por fim, ampliar a rede de colaboradores e parceiros, para a definição de políticas que sejam de convergência com o desenvolvimento sustentável.
 
Representação institucional
 
A cerimônia da entrega do certificado contou com a presença do diretor de Relações Internacionais da UFLA, professor Antônio Chalfun Junior; do pró-reitor de Pesquisa, professor José Maria de Lima; do pró-reitor de Extensão e Cultura, professor José Roberto Pereira.
 
A cerimônia teve a participação de Franklin Frederick , defensor das causas que envolvem a água como bem público e um dos articuladores da iniciativa junto a Council of Canadians.
 
O evento ainda teve a presença do promotor de Justiça Bergson Cardoso Guimarães, convidado pelos organizadores do evento para explanar sobre o papel da promotoria pública brasileira em defesa da ordem jurídica, do Regime Democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. A cerimônia também contou com a presença do conselheiro Rubem Mendes de Oliveira, representando o  embaixador do Brasil na Suíça, José Borges dos Santos Júnior.
 
Maude Barlow foi convidada e aceitou publicamente o convite do reitor para visitar a UFLA e palestrar no próximo Dia Mundial da Água, em 22 de março de 2017.
 
Plano Ambiental premiado
 
Associado à necessidade de se organizar para acomodar novos públicos, a Universidade tinha, em 2008, o desafio de resolver problemas ambientais que marcavam a rotina no câmpus. Diante do cenário, o professor Scolforo, na época pró-reitor de Planejamento e Gestão idealizou o Plano Ambiental e Estruturante, com ações que previam a resolução dos problemas existentes e a garantia de um crescimento sustentável. Para tal, buscou a colaboração de professores, técnicos administrativos e estudantes e, juntos, possibilitaram o desenvolvimento do Plano. Com medidas que envolveram toda a comunidade acadêmica, a experiência resultou em reconhecimento externo, com a conquista de prêmios nacionais e a primeira colocação na América Latina no principal ranking internacional de sustentabilidade. Em apenas oito anos, tornaram-se visíveis os reflexos que essas práticas projetaram sobre a reputação, a identidade e a imagem organizacional. Atualmente reconhecida como “Eco Universidade”, a instituição teve um percurso de sucesso no trato com as questões ambientais.
 
O desafio da gestão hídrica
 
Todos os dias, são gastos na UFLA 800 mil litros de água tratada, 120 mil litros de água não tratada nas estufas e casas de vegetação, 80 mil litros no atendimento aos animais dos departamentos de Medicina Veterinária (DMV) e Zootecnia (DZO), além de 50 mil litros com as obras em andamento. Esse volume vem de reservas da própria Universidade, alimentadas por 15 nascentes presentes na instituição.
 
Reservas próprias: benefícios para o ensino e a pesquisa na Instituição
 
Já é uma realidade a nova estrutura da Estação de Tratamento de Água, que permite o processamento de 1,6 milhão de litros de água por dia, atendendo com folga à demanda crescente da Universidade, com a abertura dos novos cursos. Além disso, em todas as novas estruturas físicas que estão sendo construídas na UFLA, as torneiras são automáticas e os vasos sanitários têm caixas acopladas, o que contribuirá para diminuir o consumo. De forma adicional, está em curso processo para a reforma de 50 banheiros presentes nas estruturas antigas da Instituição.
 
A utilização, pela UFLA, da água de reservas próprias e o tratamento de esgoto possibilitam uma economia financeira de R$ 6 milhões ao ano, recursos que são aplicados na melhoria da qualidade do ensino. O tratamento da água e do esgoto pela instituição contribui para o desempenho positivo na área ambiental, é fonte de pesquisa para iniciação científica e pós-graduação, além de constituir espaço de ensino em que os estudantes podem ter acesso a laboratórios reais de tratamento de água e de esgoto.
 
Proteção da nascente principal da UFLA
 
A nascente principal está localizada fora da área da Universidade. Ao longo do tempo, ações vêm sendo desenvolvidas, envolvendo diferentes atores sociais, para que ela possa ser preservada e revitalizada. Entre as ações já em execução estão a contenção de encostas, com terraceamento e construção de bacias de contenção.
 
Ativação de três poços artesianos
 
Três poços, com vazão total de 400 mil litros de água, foram abertos em 2014. Já existiam também dois outros poços em atividade, que servem ao alojamento estudantil e à parte da experimentação implantada na UFLA.
 
Revegetação de nascentes
 
A revegetação de nascentes é outra medida em andamento, que deve resultar em retorno mais efetivo em médio e longo prazo. Há seis anos, o procedimento foi iniciado, já tendo sido plantadas na UFLA 90 mil mudas de 49 espécies diferentes. Em 2016, os plantios continuam e devem envolver 50 mil mudas.
 
Substituição dos destiladores dos laboratórios
 
Os destiladores que havia em todos os laboratórios da UFLA foram substituídos em 2012 por purificadores que operam por osmose reversa. O sistema possibilita a economia de 90% no consumo de água. Esses destiladores consumiam 100 mil litros de água em  8 horas de funcionamento; os purificadores reduziram o gasto para 10 mil litros de água.

Fonte: UFLA (Ascom)
Foto: Reprodução

54676ty7654i
 
A ONU Mulheres Brasil divulgou, quinta-feira (26), nota em que se solidariza com as jovens do Rio de Janeiro e do Piauí que foram vítimas de estupros coletivos e pede ao poder público dos dois estados que seja incorporada a perspectiva de gênero na investigação, processo e julgamento dos casos. A organização também pede à sociedade brasileira “tolerância zero” a todas as formas de violência contra as mulheres e a sua banalização.
 
Quinta-feira (26), a Polícia Civil do Rio de Janeiro tomou depoimento de uma jovem de 16 anos que informou ter sido drogada e estuprada por diversos homens. O crime foi denunciado após um vídeo com imagens da jovem desacordada e com órgãos genitais expostos ter sido postado na internet. No vídeo, um homem diz que “uns 30 caras passaram por ela”.
 
Em Bom Jesus, sul do Piauí, uma jovem de 17 anos afirmou ter sido violentada por quatro adolescentes e um rapaz de 18 anos, na madrugada desta sexta-feira (20). Após uma briga com o namorado, a jovem teria ingerido bebida alcoólica e os suspeitos se aproveitaram da embriaquez para cometer o crime. A jovem foi encontrada amarrada dentro de uma obra abandonada.
 
A nota, assinada pela representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, observa que os dois casos “bárbaros” se assemelham pelo fato de que as duas adolescentes teriam sido atraídas pelos algozes em tramas premeditadas e por terem sido violentamente atacadas num contexto de uso de substâncias com álcool e drogas.
 
“Como crime hediondo, o estupro e suas consequências não podem ser tolerados nem justificados sob pena do comprometimento da saúde física e emocional das mulheres, as quais devem dispor de todas as condições para evitar a extensão do sofrimento das violências perpetradas”, registra o texto.
 
A ONU Mulheres Brasil também reforça a necessidade de garantia e fortalecimento da rede de atendimento a mulheres em situação de violência e de profissionais especializadas em gênero em todas as esferas governamentais para o pleno atendimento às vítimas.
 
Dilma: estupro coletivo de jovem foi "barbárie"
 
A presidenta afastada Dilma Rousseff usou as redes sociais para condenar o estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro. Segundo Dilma, o ato foi uma “barbárie”. “Presto minha total solidariedade à jovem, menor de idade, estuprada por vários homens. Além de cometerem o crime, os agressores ainda divulgaram fotos e vídeos da vítima, desacordada, na internet. Uma barbárie”, disse Dilma, que pediu a identificação e punição dos responsáveis.
 
A jovem deu depoimento à Polícia Civil dizendo que acordou na madrugada de quinta-feira (26) cercada por 33 homens armados de pistolas e fuzis. A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática no Rio de Janeiro (DRCI) também analisa um vídeo com imagens da jovem desacordada e nua.
 
Postadas na quarta-feira (25) no Twitter, as imagens causaram indignação na internet. No próprio vídeo, um homem diz que “uns 30 caras passaram por ela”. O delegado Alessandro Thiers pediu a quem tenha qualquer informação que possa auxiliar na identificação dos autores entre em contato através do e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
 
A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro divulgou nota repudiando o ato e se prontificou a oferecer apoio à jovem e sua família.
 
 
Leia a íntegra do comunicado da ONU Mulheres.
 
NOTA PÚBLICA DA ONU MULHERES BRASIL SOBRE ESTUPROS COLETIVOS
 
A ONU Mulheres Brasil se solidariza com as duas adolescentes vítimas de estupro coletivo: uma, no Rio de Janeiro, violada por mais de 30 homens, e outra, em Bom Jesus (PI), vitimada por cinco homens. Além de serem mulheres jovens, tais casos bárbaros se assemelham pelo fato de as duas adolescentes terem sido atraídas pelos algozes em tramas premeditadas e terem sido violentamente atacadas num contexto de uso de drogas ilícitas.
 
Nesse sentido, a ONU Mulheres solicita aos poderes públicos dos estados do Rio de Janeiro e do Piauí que seja incorporada a perspectiva de gênero na investigação, processo e julgamento de tais casos, para acesso à justiça e reparação às vítimas, evitando a sua revitimização.
 
Alerta, ainda, que uma das formas com que a revitimização se dá é pela exposição social da vítima e dos crimes, incluindo imagens e vídeos em redes sociais e demais meios de comunicação, em ações de violação do respeito e da dignidade das vítimas, entre eles a falta de privacidade, a culpabilização e os julgamentos morais baseados em preconceitos e discriminações sexistas.
 
Como crime hediondo, o estupro e suas consequências não podem ser tolerados nem justificados sob pena do comprometimento da saúde física e emocional das mulheres, às quais devem dispor de todas as condições para evitar a extensão do sofrimento das violências perpetradas.
 
Deste modo, urge o pleno atendimento da Lei 12.845/2013 de atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual, com profilaxia de gravidez e antirretrovirais, em consonância com normativas internacionais, a exemplo da Declaração sobre a Eliminação das Nações Unidas sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres.
 
Por fim, a ONU Mulheres reforça a necessidade de garantia e fortalecimento da
rede de atendimento a mulheres em situação de violência e de órgãos de políticas para as mulheres e profissionais especializadas e especializados em gênero em todas as esferas governamentais, para o pleno atendimento às vítimas, primando pelo cumprimento de protocolos, pela celeridade e pela humanização nos procedimentos de saúde, psicossocial e justiça em todas as etapas do atendimento às vítimas e seus familiares, assim como a rigorosa punição dos agressores.
À sociedade brasileira, a ONU Mulheres pede a tolerância zero a todas as formas de violência contra as mulheres e a sua banalização."
 
Nadine Gasman
Representante da ONU Mulheres Brasil
 
 
Nesse contexto, nós, da equipe CONIC, também queremos compartilhar a reflexão escrita por Luara Colpa:
 
Sobre o corpo de Cristos(as)
 
Eu tiraria todos – um por um – de cima de você neste momento, irmã. Eu limparia seu corpo, tiraria o som dos seus ouvidos, o cheiro deste lugar, as lembranças. Se o tempo voltasse, eu os impediria de terem saído de casa. Todos eles.
 
Eu desligaria os celulares, os computadores, tiraria baterias dos carros, dos ônibus. Eu faria feitiço, veneno, poção, dor de barriga para todos. Trinta.
 
Eu te levantaria daí e te levaria pra ver o pôr do Sol no Arpoador, se o mundo girasse ao contrário… Mas o mundo não gira.
 
Foram Trinta.
 
Um ex-companheiro e vinte e nove “amigos”. Nenhum deles se compadeceu. Vinte e nove seres humanos toparam se unir a um criminoso.
 
Trinta.
 
Trinta e um agora compartilharam. Trinta e dois riram. Trinta e três justificaram. Trinta e quatro se excitaram, trinta e cinco procuram o vídeo neste momento.
 
Agora o número se torna uma projeção geométrica. A misoginia aparenta infinita, o ódio e o machismo aparentam grandiosos demais. A primeira reação do público masculino em geral é ver o vídeo.
 
No entanto, quando pensei que fôssemos só nós duas, olhei para o lado e vi três, quatro, cinco. Chegaram seis, sete, oito, trinta.
 
Em segundos fomos noventa, cem, mil, somos milhares por você. Aquele som, aquele cheiro… Queremos que sua memória apague, mana!
 
E que o mundo nos ouça: “A CULPA NUNCA É DA VÍTIMA”. Que ecoe.
 
Que ecoe: Daqui vocês não passam. Não passarão.
 
Que cada uma de nós seja porta voz do ocorrido¹. Se a grande mídia não denuncia a violência contra a mulher periférica, que nossas mãos sejam denúncia.
 
Na violência contra a mulher todas metemos a colher.
CONIC com agências
Imagem: Articulação Igreja e Movimentos Sociais

540x350 igreja

Igrejas evangélicas de Fortaleza se uniram no último domingo (22) em uma caminhada contra a exploração sexual infantil. Promovida pela Rede Evangélica Nacional de Assistência Social (Renas), o evento reclamou a relevância do tema para toda a sociedade em vista do “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”.

Jailma Rodrigues é assistente social e coordenadora da campanha Bola na Rede que atuou na caminhada. Em entrevista exclusiva para o Portal Guiame, ela contou mais detalhes. “Essa caminhada é promovida pela Renas, que aqui em Fortaleza reúne várias instituições e igrejas, como por exemplo a visão mundial, Diaconia, a Jocum, a Luminai, a Compassion e outras”, disse. “E essas instituições todas se juntam durante o ano inteiro para programar essa ação e outras ações que a gente faz durante o ano”, contou.

“Algumas instituições não evangélicas também estão com a gente, mas a organização é feita por uma rede evangélica”, disse.

Ainda de acordo com a coordenadora, a campanha iniciou em 2010 com o mote da Copa do Mundo. “Nos começamos essa campanha em 2010 e a ideia era desenvolver uma campanha em alusão a copa do mundo na situação da exploração sexual no turismo”, revelou.

“Então nos finalizamos a campanha em 2014 com a copa do mundo com grupos de sensibilização nos bolsões de estacionamento, no Fifa FanFest da Praia de Iracema e em vários outros lugares. Mas nós decidimos continuar com a campanha por entender que infelizmente é uma violência que não se acaba, que não é dado baixa e que infelizmente o poder público não faz a sua parte, não tem uma responsabilidade de uma forma efetiva”, comentou.

Questionada sobre o fato de a igreja estar envolvida nesse tema, Jailma explica: “A nossa Constituição Federal diz que a responsabilidade com crianças e adolescentes é do Estado, da família e da sociedade. Então é de responsabilidade de toda a sociedade proteger essas crianças e adolescentes. Por isso que é importante que a sociedade como um todo se sensibilize e traga para si a responsabilidade de ficar de olho, de denunciar, de fazer o que tiver ao seu alcance pra defender crianças e adolescentes, especialmente no que diz respeito à violência sexual”, salientou.

Fonte: Guia-me
Foto: Reprodução

Muhammadu Buhari

A group of faith leaders have written to the Prime Minister urging him to tackle the "moral outrage" of government corruption.

The letter has been signed by 14 representatives from Christianity, Islam and Judaism and calls on David Cameron to "significantly reduce illicit financial flows".

It's been published as David Cameron welcomes world leaders to the UK for his two-day summit on corruption.

He's under pressure to use the event in London to get tough on territories that refuse to establish public registers of company ownership.

Mr Cameron's position as host was made awkward after he was caught on camera branding two participating states - Nigeria and Afghanistan - as "fantastically corrupt".

The President of Nigeria Muhammadu Buhari (above, with Baroness Asthal of Glasgow) publicly acknowledged his country has a problem with corruption, but also asked British banks to stop holding corrupt money coming from Nigeria.

After revelations about offshore financial activities in the so-called Panama Papers, Mr Cameron last month announced that the overseas territories and crown dependencies - like the British Virgin Islands and Jersey - had agreed to provide UK tax and law enforcement agencies with full access to company ownership details.

But the faith leaders, including Archbishop Francisco de Assis da Silva, the Primate of the Anglican Church of Brazil and The Very Revd Dr David Ison, Dean of St Paul's Cathedral, call on him to go further.

"We see how corruption stunts development and leads to huge financial outflows from the developing world," they write.

"It deprives developing countries of the funds they need to provide decent health, education and other public services for their citizens. We believe this is a moral outrage.

"Sadly, the UK's secretive Overseas Territories and, to a lesser extent, its Crown Dependencies are among the main enablers of such corruption.

"It is disappointing that more progress has not been made around the world on public registers of beneficial ownership since the G8 that you led in 2013."

Dr Hany El Banna - Chairman of the Muslim Charities Forum, Rabbi Danny Rich - Senior Rabbi and Chief Executive of Liberal Judaism and Canon Revd Joel Edwards - Strategic Advisor, Christian Solidarity Worldwide, also signed.

Fonte: premier.org.uk
Foto: Reprodução