fbpx

Prostituição: mudanças, autoimagens, confrontações e violência

 
Falar em prostituição é também revelar a invisibilidade social e o estigma que naturaliza as violações de direitos humanos das mulheres. Com uma reflexão abrangente sobre o universo prostitucional, a Rede Oblata lança o livro Prostituição: mudanças, autoimagens, confrontações e violência, obra que compreende a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, tais como a sociologia, antropologia e a educação popular.
 
O livro é fruto de um projeto de pesquisa sobre Violência contra as Mulheres que exercem a prostituição, realizado em 2017 pela Rede Oblata, composta pelos projetos sociais do Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor no Brasil. 
 
Os dados parciais dessa pesquisa e de outros trabalhos relacionados foram apresentados em seminários promovidos pelas Unidades da Rede: Pastoral da Mulher (Juazeiro – BA), Projeto Força Feminina (Salvador – BA), Projeto Diálogos pela Liberdade (Belo Horizonte – MG) e Projeto Antonia (São Paulo – SP). 
 
A pesquisa e a publicação da presente obra foram financiadas pela Fundação Serra Schönthal, entidade sem fins lucrativos criada pela Congregação das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor. 
 
O livro está disponível para vendas no site da Editora Pluralidades e na Amazon (e-book). 
 
Sobre a Rede Oblata Brasil
 
O Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor é uma instituição católica criada em 1870, na Espanha. Tem como fundadores o monge beneditino José Maria Benito Serra, e Antonia Maria de Oviedo. leiga que, posteriormente, tornou-se religiosa consagrada. 
 
A partir da observação do tratamento dispensado às mulheres em contexto de prostituição quando recorriam aos hospitais, ou mesmo à qualquer instituição religiosa ou filantrópica, decidiram desenvolver um trabalho totalmente direcionado à acolhida dessas mulheres que se encontravam à margem da sociedade e sem qualquer possibilidade de inserção.
 
A Rede Oblata nasceu em 2003 pela inquietação das irmãs e leigas/os diante da necessidade de animar e articular os Projetos de Missão no Brasil para impulsionar o desenvolvimento humano e social das mulheres em situação de prostituição, atuar no enfrentamento ao tráfico de mulheres para fins de exploração sexual e sensibilizar a sociedade quanto à realidade dessas mulheres.